sábado, 8 de outubro de 2011

Há um sol que não quero tapar com a cortina da minha pele... vou abrir as janelas dos meus braços!

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Dou-te a letra que tocas...


Sei que de algum modo serei cantada por ti

Apenas aguardo ouvir o meu nome na tua música

Para seguir as rotas da melodia com que nasci

E completar-me ao teu lado como letra

E dar asas entre sons de guitarra e bandolim.


Sei que transmito o sentimento que nutro

Encaixo, na perfeição, no teu corpo musical


Dou-te a letra que tocas e transformas em canto

Quanto mais apaixonada mais beijar-te é literal

Fazes parte do lado Bom do álbum da minha vida!


sábado, 23 de julho de 2011

Onde jazem as vidas que já vivi?

 Fotografia de stock: Spirit rising from body









Nas portas do infinito
Soltei a essência da minha pele
Entreguei o corpo para presente
Troquei as últimas palavras com a morte

Não ficou nada por dizer
Nada de novo a acrescentar na sina
Nem sombra que me siga

Enterraram o corpo que já não habito
Num dia de eterna noite
Obrigada a esquecer quem fui no passado
Obrigada a esquecer quem sem querer abandonei e amo

Foi a morte quem mais me matou
Resta-me vaguear pelos céus à procura da memória
Perdi os rostos de quem sinto ser meu
Esqueci para não sofrer e isso é o que mais me agonia

Dizem que um dia reencarnarei
Quando aceitar que a morte é prolongamento da vida
E a vida é um aprendizado que eleva a índole

Continuo vazia… onde jazem as vidas que já vivi?

sábado, 14 de maio de 2011

Vou desaguando quando rio

Fotografia de stock royalty-free: Woman swimming in the lake during...
Vou desaguando quando rio
Despejando emoções noutro curso de água

Seguindo a corrente dum Rio que adoça
Ou transborda as margens com toda a força

Chegando ao Mar e provando o sal
Conservando as lembranças que embarcam na memória

Remoinhos que não saem da ria
Riachos da mesma água…

Turva.

Vou desaguando quando rio
Antes que os meus olhos lacrimosos enviem chuva.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Fotografia de stock royalty-free: Bundle of euro notes with cross...
 
Fez de nós letras
Juntou-nos e fez de nós frases
Somos dialecto da boca do inferno
Somos a voz que a crise demonizou.




quarta-feira, 4 de agosto de 2010

O teatro deixou de ser uma festa?!?!

 
Deixei de saber de ti…
Sei que partiste mas não sei onde chegaste
Elevou-te uma nuvem quando adormeceste
Esteve escrito no céu o destino que eu li…

Nos palcos onde brilhaste
Levantou-se o pano carregado de estrelas, para ti
Numa plateia sequiosa dum mestre…
Outrora cheia de brilho emanada da arte que aplaudi.

A nuvem elevou-te num profundo sono
Lágrimas de chuva inundam terra e solo
O teatro deixou de ser uma festa?!?!
Morre na corda bamba a tua guitarra sem som…

Mas tu não, és eterno!!!
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape NOTA: A maioria das fotos publicadas aqui, no meu blogue, não são da minha autoria.

NÃO ABANDONE!!!

NÃO ABANDONE!!!